Teoria do Scrum: Conheça os Pilares do Scrum

5
Teoria do Scrum

Teoria do Scrum

A Teoria do Scrum usa como base para o seu sucesso o empirismo.

O empirismo afirma que uma decisão deve ser tomada com base no que se conhece de verdade, ou seja, experiência de campo não em teoria.

Com base no que se conhece no Scrum, são tomadas decisões sobre o que fazer a seguir.

O Scrum emprega uma abordagem iterativa e incremental para aperfeiçoar a previsibilidade e o controle de riscos. em outras palavras.

Quando falamos em abordagem iterativa e incremental, estamos falando da entrega constante de partes do produto funcionando e testado.

Partes do produto são entregues constantemente e testados ao final de cada Sprint. Em suma o Scrum é totalmente diferente dos modelos tradicionais onde a entrega é feita de uma única vez ao final do projeto.

Para atingir seus mais complexos objetivos, o scrum se ancora em três grandes pilares, são eles: transparênciainspeção e adaptação, são estes três pilares que são usados como base para tomada de decisão e tornam possível a prática do empirismo.

Transparência

Quando uma organização decide adotar o scrum, o Scrum Master deve focar profundamente na importância da Transparência garantindo que o Time Scrum e acima de tudo o Time de Desenvolvimento entenda o por que de usar a transparência e como ele os ajudará a entregar produtos de alto valor.

Quando se aplica scrum, os aspectos importantes do processo devem estar visíveis a todos os responsáveis pelos trabalhos, dessa forma todos sabem exatamente onde estão e aprendem mais sobre o produto a medida que conhecem mais sobre ele.

Segundo a Teoria do Scrum, ao aplicar métodos de promoção da transparência é necessário um entendimento comum do que está sendo visto, caso cada membro da equipe da equipe veja de uma maneira, o produto nunca ficará pronto, pois cada um pode querer alterar de acordo com sua visão particular.

Para simplificar essa demanda, basta então o Time Scrum entrar em acordo sobre o que é uma padrão que todos devem seguir, desta forma todos os envolvidos, desde os que criam o trabalho até os que inspecionam entendam se o produto ou parte dele está “Pronto” e se atende aos requisitos que foram previamente definidos.

Falaremos mais sobre a definição de “Pronto” em um outro artigo quando falaremos sobre a Transparência do Artefato.

Inspeção

Quando um Time de Desenvolvimento ou vários times estão trabalhando em um produto, é necessário aplicar uma metodologia de inspeção eficiente, caso contrário pode haver muitos desvios de finalidade e as metas definidas na Meta da Sprint, podem não ser alcançadas, gerando transtornos de várias ordens, como insatisfação dos Stakeholders, gasto excessivo de recursos financeiros e/ou de pessoas ,que por falta da inspeção trabalharam uma semana ou até 4 semanas, se por exemplo o desvio tenha sido identificado apenas no final de uma Sprint de um mês.

Para evitar os problemas citados acima e muitos outros, é necessário haver uma inspeção frequente dos elementos que estão sendo desenvolvidos, a frequência pode variar bastante de organização para organização, como também de Times Scrum, mas ela precisa ser frequente a ponto de garantir que o produto não desvie para fora do planejado.

Em suma, o mais recomendado é que essa inspeção seja feito por pessoas que conheçam o produto a fundo.

Inspeções geralmente são feitas por alguém do time que detenha mais experiência no assunto e que já tenha trabalhado com projetos semelhantes.

Adaptação

O terceiro e último pilar que sustenta o empirismo do Scrum é o pilar de Adaptação.

Adaptação é importante tanto quando os demais, pois é aqui que são feitas as alterações necessárias caso um inspetor tenha identificado desvios de finalidade, ou seja, é uma oportunidade para readequar o produto se necessário.

O ajuste deve ser identificado o mais breve possível, por exemplo, se na reunião diária foi identificado algo fora do esperado, o Time de Desenvolvimento deve assim que sair da reunião se encontrar para definir como resolver o problema, não pode ser esperado até o final da Sprint para resolver o problema.

A correção imediata evita demais desvios que podem ocorrer devido ao primeiro erro.

O Guia do Scrum afirma existirem 4 eventos formais para inspeção e adaptação, são eles:

  • Planejamento da Sprint
  • Reunião diária
  • Revisão da Sprint
  • Retrospectiva da Sprint

Conclusão: Teoria do Scrum

Para concluir, vimos que o Scrum é baseado em empirismo, ou seja, uma decisão só pode ser tomada com base no que se conhece.

O Scrum é suportado por três pilares, Tranaparência, Inspeção e Adaptação, aplicados juntos eles garantem o sucesso do Time Scrum.

Vimos ainda que se qualquer um dos pilares apresentados acima não forem seguidos, não será Scrum e o fracasso é evidente.

Espero que tenha gostado do artigo e espero que volte sempre.

Lembre-se: Este blog é para min (o autor) aprender mais sobre Scrum e conquistar as certificações do Scrum.

Em nenhum momento quero me colocar aqui como um profissional no assunto, sou apenas um estudante.

Leia nossos outros artigos sobre: O Time Scrum: Como é composto?Os Eventos do Scrum e sua importânciaQuais Artefatos do Scrum são oficiais?Guia para Certifição PSMI.

Fontes: Scrum Guide, Scrum Métodos Ágeis

5 COMENTÁRIOS